Mercado Financeiro: o que é e para que serve?

Por José Francisco Pais

Quando o assunto é mercado financeiro fica sempre a dúvida naqueles que estão pouco familiarizados com o termo: o que é? Como funciona? Para que serve? O que estas pessoas não sabem é que, além de ser um segmento ágil e dinâmico, este sistema é, também, muito fácil de se entender e compreender.

Em todas as citações disponíveis, identificamos que o mercado financeiro é onde as pessoas negociam o dinheiro. Ele faz a ligação entre as pessoas ou empresas que têm dinheiro e as pessoas ou empresas que precisam de dinheiro, ou seja, entre os Superavitários e os Deficitários, respectivamente. Para que isto ocorra, faz-se necessário a presença de um intermediador financeiro. Que são todas as instituições financeiras autorizadas a funcionar pelo Banco Central. Sendo assim, o mercado financeiro leva o dinheiro de quem tem para quem não tem, cobrando taxa de juros. E por esta intermediação, os agentes financeiros são remunerados através dos seus spreads.

Classificamos o mercado financeiro através de duas maneiras de negociação. O mercado primário, onde as empresas ou o governo emitem títulos e valores mobiliários para captar novos recursos diretamente de investidores. E o mercado secundário, que é composto por títulos e valores mobiliários previamente adquiridos no mercado primário, ocorrendo apenas à troca de titularidade, isto é, a compra e venda desses ativos. Seu principal objetivo é, além de gerar negócios, dar liquidez a esses títulos.

O mercado financeiro também oferece vários tipos de serviços, tais como: empréstimos e financiamentos, investimentos financeiros, cobrança bancária, seguro de vida, planos de previdência, entre outros. Neste mercado tudo é fiscalizado e controlado pelo BACEN (Banco Central do Brasil) e pela CMV (Comissão de Valores Mobiliários), que são autarquias federais subordinadas ao CMN (Conselho Monetário Nacional).

A perspectiva de investimento da maioria dos brasileiros esta direcionada a concretização de sonhos materiais como viagens, imóveis, automóveis, custearem os seus próprios estudos ou de seus filhos, a busca de uma estabilidade financeira mais tranqüila e até mesmo alcançar as suas realizações profissionais.

Todavia, devemos ter a consciência de que o dinheiro existe para nos servir e, sendo assim, devemos fazer com que ele trabalhe para nós, através de investimentos sólidos e rentáveis. Quanto maior a disponibilidade dos recursos financeiros, maior é a capacidade de investimento, que é a diferença entre poder econômico e poder financeiro.

Quando o investidor quer realizar uma aplicação financeira, primeiro deve-se identificar qual o seu perfil, se é conservador, moderado ou dinâmico, bem como, a segurança da instituição financeira, a rentabilidade do investimento, a proteção que ele possui e a liquidez do mercado em relação ao ativo que esta sendo adquirido.

No mercado financeiro, existem vários tipos de investimentos, divididos em Renda Fixa e Renda Variável. Como por exemplo, a Caderneta de Poupança, os Fundos de Investimentos, os CDBs, entre outros, estão classificado como Renda Fixa. As Ações e os Derivativos (os chamados contratos a termo, futuros, opções e swap), são denominados de Renda Variável, visto que não tem vencimento e não sabemos quanto que esses ativos irão render, uma vez que dependem do desempenho do mercado de capitais.

Para se aplicar nestes grupos, deve-se sempre procurar as orientações de um especialista, como os Gerentes de Relacionamentos dos Bancos Comerciais ou Múltiplos, que sejam certificados pela ANBID (Associação Nacional dos Bancos de Investimentos e de Desenvolvimento), os Agentes Autônomos de Investimentos, reconhecidos oficialmente pela CVM, ou também os Consultores Financeiros Pessoais, que geralmente desenvolvem um plano financeiro familiar adequado ao poder financeiro de cada investidor.

Existem também, alguns sites informativos que auxiliam o investidor no momento de se decidir em que tipo de mercado investir, inclusive com disponibilidade de simuladores financeiros.

Porém, o primordial é identificar o perfil de cada investidor, pois a partir desta análise é que o investidor irá direcionar seus recursos para os diversos tipos de investimentos disponíveis no mercado, com maior ou menor risco, buscado sempre a melhor relação entre risco x retorno.

Portanto, o que devemos compreender sobre o mercado financeiro é que ele serve para suprir os diversos tipos de necessidades econômicas, tanto dos superavitários, quanto dos deficitários, sabendo inclusive como usufruir corretamente dos serviços disponibilizados pelos intermediadores financeiros, para que o equilíbrio entre o poder econômico e o poder financeiro, não seja distorcido.

 José Francisco Pais é financista, palestrante, professor universitário, especialista em gestão empresarial e profissional da área financeira com experiência de mais de 27 anos de atuação. 

About these ads

Sobre jfpais

José Francisco Pais é professor universitário, financista, especialista em gestão empresarial, com mais de 27 anos de experiência na área bancária e financeira, articulista dos sites Administradores.com.br, PrevenirPerdas.com.br e certificado pela ANBID/ANBIMA – CPA20.

Publicado em junho 6, 2011, em MERCADO FINANCEIRO e marcado como , , , . Adicione o link aos favoritos. Deixe um comentário.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

Seguir

Obtenha todo post novo entregue na sua caixa de entrada.

%d blogueiros gostam disto: